caping2

24.7.16

Belém e Marajó

Como chegar - BR-316 e BR-010: asfalto recapeado e liso. Depois de Santa Isabel do Pará, a BR-010 recebe o tráfego intenso da Belém-Brasília. De Belém, a balsa leva 3h30 até a Ilha de Marajó. Evite ir nos meses de novembro a maio, por causa das chuvas.

Veja a Floresta Amazônica, Rio Amazonas, o Parque Emílio Goeldi, em Belém, e praias de Marajó.
Previna-se contra a febre amarela, vacine-se 15 dias antes de ir para a região.


Belém

Capital do Estado; porto fluvial.
◬10 m. Manaus 96 horas de navio ou balsa, Marabá 654, Altamira 740, São Luís 806, Teresina 947, Brasília 2 141, São Paulo 2 933, Rio de Janeiro 3 250. 
Ponto de partida para a Ilha de Marajó e incursões na Floresta Amazônica e no Rio Amazonas.
Fundada em 1616, é famosa por causa das mangueiras seculares plantadas nas ruas, dos antigos casarões de azulejos portugueses e pelo Mercado Ver-o-Peso, onde se encontra artigos típicos como a cerâmica marajoara, frutas e comidas regionais e ervas medicinais.

O Parque Zoobotânico Emílio Goeldi com aquário (peixes da região), museu de arqueologia, botânica, etnologia, geologia e zoologia.


Comida típica

Tucupi

A comida paraense tem forte influência indígena, tanto no preparo como no tipo de ingredientes utilizados. O tucupi, por exemplo, um líquido amarelo de gosto amargo e acentuado, é um acompanhamento muito popular e utilizado em carnes, peixes e no famoso pato no tucupi. Preparado a partir do suco da raiz de mandioca, deve ser cozido longamente, pois, segundo os índios, é venenoso quando cru. A esse molho costuma-se acrescentar algumas folhas de jambu, uma verdura que deve ser comida com moderação, pois causa certa dormência nos lábios.

Camping Parque dos Igarapés - Travessa WE-12 - Centro - Satélite: área com infra-estrutura para camping.


Algodoal

◬45 m. Belém 168, Castanhal 91, Marudá 184, Marabá 822, São Luís 828.
Vilarejo situado na Ilha de Maiandeua, com charretes nas ruas de terra, casas de madeira e choupanas de barro e palha. Luz, só de geradores. O mar agitado impede a passagem de balsas e a presença de automóveis na ilha. Areias alvas como algodão, como o nome sugere. O acesso é feito por barco, a partir de Marudá (40') ou de Maracanã (2h).

A Praia da Vila do Algodoal é a mais procurada por surfistas. Em forma de ferradura, tem areia grossa e clara formando dunas. Pode-se acampar na praia.

Algodoal Camping Club - Ilha do Algodoal - Maracanã: área com infra-estrutura para camping.


★★ Ilha do Mosqueiro

Ilha do Mosqueiro é um distrito administrativo do município de Belém. De fato, Mosqueiro é uma ilha fluvial localizada na costa oriental do rio Pará, um braço sul do rio Amazonas, em frente à baía do Marajó. Apresenta área de aproximadamente 212 km² e está localizada a 70 km de distância do centro de Belém. Possui 17 km de praias de água doce com movimento de maré.

Ligada a Belém pela Ponte Sebastião R. Oliveira, é o principal balneário da capital. É uma ilha fluvial de praias de água doce muito parecidas com uma orla marítima e algumas dunas. Apresenta ondas fracas, boas para windsurfe. Na Praia Paraíso, inclinada, em forma de ferradura e com estreita faixa de areia escura e grossa, há ondas boas para surfe, dependendo do vento e da maré. É tranquila, possui palmeiras e é possível acampar nela.
Camping Quintela - Estrada do Paraíso - 500 m das Praias Paraíso e Marahu, Ilha do Mosqueiro: infra-estrutura para camping.


★★★ Ilha de Marajó

Belém 6 horas de barco, Salvaterra 5.
Cercada pelos rios Amazonas e Tocantins e pelo Oceano Atlântico, é a maior ilha fluviomarinha do mundo. Há várias praias com dunas de areias claras e fofas, apresentações de danças folclóricas, como carimbó e lundu, e restaurantes de comidas típicas. A viagem para Cachoeira do Arari, onde fica o Museu do Marajó, proporciona a visão completa do horizonte em qualquer ângulo que se olhe, graças ao relevo plano. Nas fazendas do interior da ilha é possível se hospedar e acompanhar o dia-dia dos trabalhos.
Os seus 49 602 km² abrigam uma rica fauna e a maior manada de búfalos do país.
Selvagem e pouco conhecida, este paraíso ecológico é dominado por poucas e grandes fazendas.
A ilha tem 2 tipos de terrenos: no lado leste há uma planície de 23 000 km², coberta por vegetação do tipo savana. A oeste, numa área de 26 500 km², predominam densas florestas.
Algumas fazendas localizadas no interior da ilha estão preparadas para receber grupos de turistas e levá-los para passeios. Todas dispõe de luz elétrica e água encanada. Os passeios são feitos em jipes, a pé e a cavalo, e levam aos igarapés, aos alagados e as matas, mostrando também as singulares manadas de búfalos. A caça é proibida e os transportes são feitos por barcos e táxis aéreos.


Comida típica

Búfalo

A cozinha marajoara, preparada pelos moradores das fazendas do interior da ilha: utiliza a carne de búfalo que se destaca em dois pratos conhecidos como frito de vaqueiro (com cubinhos de minguinha, fraldinha e fritos) e filé marajoara (grelhado e coberto com queijo de búfala). No interior se consome ainda a carne de caça. A tapioca com tucupi, prato típico da região norte, também é apreciada pelos ilhéus.

Camping e Pousada Boto - Av. Alcindo Cacela, esquina com a 5ª Travessa - Ilha de Marajó, Salvaterra: áreas para barracas, segurança, infra-estrutura banheiros masculinos/ femininos, restaurante, salão jogos.



Atenção: O blog Camping Natural não se responsabiliza por alterações realizadas pelos estabelecimentos (infra-estrutura, roteiro, etc.) após o fechamento desta postagem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário