24.7.16

Crianças no camping

Na prática do campismo, a melhor orientação e cuidados para com as crianças estão baseados no bom senso dos pais. Antes de se dirigir a uma área de camping. Informe-se sobre  o clima que irá encontrar no local e determine o tempo que permanecerá acampado. Desses fatores dependem as roupas, os medicamentos e a alimentação que deverão ser levados. Os brinquedos podem ser dispensados, pois nessas áreas é importante estimular a imaginação e a capacidade de improvisação infantil.

Nos campings organizados - além dos atrativos naturais -, a piscina, o play-ground e as quadras de esportes oferecem a diversão apropriada para os adolescentes. Na fase escolar, o campismo pode se tornar uma aula prática sobre noções básicas de botânica, zoologia, geografia geral, geologia e urbanismo (fiquem atentos sobre isso).
 
Na fase pré-escolar, além das conhecidas diversões com água, terra ou areia, pode-se aproveitar a oportunidade para que a criança conheça bichos e adquira noções de perigo, sem, no entanto, ficar assustada.
Desde que a criança caminhe sozinha (sempre com bom acompanhamento), andar descalça em terreno acidentado é um exercício recomendado por ortopedistas, como tratamento para a planta dos pés.

Temperatura

Os recursos de um trailer, semelhantes aos de uma casa, facilitam a adaptação de crianças de qualquer idade à vida no camping. No trailer, o perigo de ventos é o mesmo de uma casa na cidade. Já na barraca, é necessário o cuidado de montá-la sempre na direção do vento (atrás da barraca) nem que para isso seja preciso desarmar e armar outra vez, durante o dia, se o vento mudar de direção. Nos campings organizados, as áreas reservadas para as barracas são protegidas por árvores que evitam as correntes de ar. Nos acampamentos selvagens, o melhor é procurar uma área onde as árvores ofereçam proteção, com cuidado para não armar a barraca em baixo delas (principalmente árvores muito velhas).

Há crianças que possuem maior resistência orgânica, adaptando-se mais facilmente à mudança brusca de temperatura. Essa capacidade de adaptação é mais frequente nas crianças habituadas a acampar antes dos cinco anos. Mas a mudança de temperatura pode causar resfriado, que deve ser tratado como normalmente se faz na cidade.

Mosquitos

No interior da barraca, a criança tem o seu lugar determinado. Ela deve ficar perto da janela vedada pelo mosquiteiro. Nas barracas mais modernas, com duas portas, uma de tela e outra de lona, a porta de lona deve ficar aberta para a ventilação. A de tela fica fechada para impedir a entrada de mosquitos. E só feche a porta de lona quando a temperatura cair muito.
A outra alternativa para a proteção contra os mosquitos é aplicar óleo Johnson's, muito usado para bebês. Porém, faça também um teste prévio porque há crianças alérgicas inclusive a esse produto. No caso de crianças com propensão a alergias, o melhor é usar óleo mineral neutro. É um óleo de amêndoa, ou vaselina líquida, sem qualquer perfume. Pode ser encontrado em qualquer farmácia. As picadas de borrachudos também podem causar alergia. Se ela não se espalhar pelo corpo, passe um creme antialérgico. Caso contrário, procure um pronto-socorro ou hospital mais próximo.

Intoxicação

Depois dos seis meses de idade, a criança está em condições de participar do seu primeiro acampamento. Nessa idade, geralmente, livre da proteção do leite materno, o bebê já tomou a vacinação básica, formando os seus primeiros anticorpos. E ela já consegue ficar sentada sem o auxílio de objetos ou de mãos que a segurem. Mas no seu processo de conhecimento do mundo, apanhar qualquer coisa e levá-la à boca é um gesto instintivo. Por isso, há o perigo da intoxicação por plantas venenosas, produtos domésticos de limpeza ou ainda por medicamentos. A melhor maneira de prevenir é manter o bebê longe de tudo isso.
Nos acampamentos, onde a improvisação requer habilidade, evite guardar produtos, como querosene, em vasilhames de refrigerantes. A criança, pela identificação de embalagens, pode apanhar uma garrafa para beber um guaraná, por exemplo.

Nas intoxicações por ácido bases (água sanitária..) plantas ou medicamentos, a primeira atitude a tomar é provocar o vômito (já que você descobriu a fonte da intoxicação), enfiando o dedo na garganta da criança, não faça respiração boca a boca. Assim há menor probabilidade de as substâncias tóxicas agirem no seu estômago. Em seguida procure um pronto-socorro ou hospital mais próximo, para ver se haverá necessidade de uma lavagem gastro-intestinal. Nas intoxicações por produtos derivados do petróleo (gasolina, querosene..), não provoque o vômito nem dê leite.
Saiba mais em.. Cuidados em primeiros socorros II
Vá, o mais rápido possível, a um hospital ou pronto-socorro, para que a criança receba o tratamento adequado. Nessas horas, mantenha a calma. Se a distância impedir que você chegue sem demora ao hospital, use o telefone, fale com um médico e peça orientação.

Acidentes

As crianças podem não ter noção do perigo que representam as machadinhas e facões, muito usados em acampamentos. Mantenha esses instrumentos guardados em local seguro.
Quando houver algum acidente com corte ou esfolamento desinfete o ferimento, lavando-o com água comum e faça um curativo simples, à base de mertiolate, gaze, esparadrapo ou, para facilitar, utilize um atadura pronta. Se estiver sangrando muito, após o curativo, procure um pronto-socorro.

É imprescindível ter sempre em casa, no carro - principalmente em viagens longas e com crianças - em um camping, uma caixa de primeiros socorros.
Os materiais devem ser enrolados em papel impermeável.
Uma lista de suprimentos que podem ter utilidade é a seguinte:
1 - compressas de gaze esterilizada embrulhadas uma a uma.
2 - rolos de ataduras de gaze em três tamanhos.
3 - gaze tipo chumaço para aplicação em olhos.
4 - caixas de Band-Aid de vários formatos e tamanhos.
5 - rolo de esparadrapo com 2,5 cm de largura.
6 - algodão absorvente e caixa de cotonetes.
7 - vidro de antisséptico (mertiolato, mercúrio-cromo, etc.).
8 - pomada contra irritações na pele.
9 - amônia, álcool, água oxigenada e leite de magnésia.
10 - vaselina esterilizada e pequena quantidade de sal.
11 - tesoura, termômetro, caixa de fósforos, conta-gotas.
12 - sacos de plástico, saco para água quente, lanterna.
13 - alfinetes de fralda, copos de papel, sabonete neutro.

As crianças devem estar sempre vacinadas contra o tétano, que é o melhor tratamento preventivo contra possíveis cortes com latas, pregos e outros objetos de metal semelhante. A vacina antitetânica, conhecida como tríplice, é aplicada normalmente em três doses (no segundo, terceiro e quarto mês de vida). Como reforço, uma nova dose deve ser dada quando a criança tiver um ano e três meses. Cinco anos depois, ela deverá ser vacinada outra vez.
Leia mais em.. Cuidados em primeiros socorros I

Acampando no frio

Nos lugares de clima frio, as crianças podem usar roupas justas, ao contrário das praias, onde elas devem ser largas, leves e bem arejadas. No frio, é importante agasalhá-las, mas sem protegê-las em excesso.
Evite sempre que a criança fique perto da fogueira, pelo perigo de brincadeiras que podem causar acidentes e pelo calor que fica ao redor do fogo. Além disso, ao se afastarem, elas encontrarão um temperatura inferior, e a mudança brusca da temperatura ambiente é prejudicial. Para aquecer o interior da barraca ou do trailer, utilize um aquecedor a gás. Nunca ligue o aquecedor quando a criança estiver por perto, principalmente se for bebê. Aqueça previamente o ambiente, por algum tempo, desligue em seguida.
Você deve, de preferência, obedecer o horário em que a criança está habituada a almoçar e jantar, deixando as refeições mais leves para os intervalos. Não esqueça que pelo gasto maior de energia a criança sempre tem mais apetite quando está num acampamento.

O calor

Nos climas quentes, os cuidados começam com o sol. Com seis meses, as crianças podem ficar expostas ao sol durante pouco mais de trinta minutos, entre as 7 e as 9 horas da manhã. E devem usar um chapéu para proteger a cabeça.
Para queimaduras leves, provocadas pelo sol utilize cremes hidratantes.
Quem é mais atingido pela insolação são as crianças em idade escolar, porque se movimentam muito e conseguem, frequentemente, fugir da vigilância dos pais. Os sintomas são febre e tontura. Nesse caso, procure o hospital mais próximo. Mas se isto for impossível, o recurso é baixar a temperatura do corpo, através de um lençol embebido em água e álcool, no qual enrola-se a criança ou, então, banhos de água fria, quase gelada. A prevenção contra a insolação é proteger a criança com chapéu, roupas leves e fazê-la ingerir líquido em quantidade.
Para saber mais leia..Acampando no verão

No calor, as diarréias aparecem com certa frequência. Porém podem ser provocadas por qualquer infecção intestinal ou intolerância alimentar. E a desidratação é uma decorrência das diarréias contínuas e consequentemente da saída de líquidos do corpo, também através dos vômitos. Os vômitos podem ser provocados por algum alimento estragado e por infecção gastro-intestinal.

Muito líquido

Nos primeiros sintomas, verificados no espaço de 24 horas, suspenda toda a alimentação e dê apenas água ou chá, procurando imediatamente um médico. Como tratamento preventivo (para o bebê), esterilize sempre a mamadeira com cuidado. Para isso, você pode utilizar produtos como o Hidrosteril ou Milton, encontrado nas farmácias. Evite guardar os restos de leite, principalmente se não houver geladeira no local. Quando fizer as mamadeiras, utilize água previamente fervida e, para as crianças maiores sirva água mineral.

O ideal é dar sempre alimentação fresca, principalmente se o acampamento durar mais de um fim de semana. No trailer em que há geladeira, essa operação fica mais fácil. Nas barracas, o melhor é renovar o estoque, comprando frutas frescas, ovos, carne em armazém ou supermercado das proximidades. A alimentação infantil da Gerber e da Nestlé (nos supermercados) não tem contra-indicação, mas não deve ser usada sempre. Durante um fim de semana, é a alimentação mais prática para as crianças até um ano e meio de idade.

As assaduras pelo contato da urina, através de fraldas, devem ser tratadas com pomadas, talcos, polvilho ou maisena.
Nos casos mais graves, não coloque calça plástica e deixe a criança sem fraldas por um certo tempo, durante o dia.
Para as chamadas micoses de praia, praticamente não existe tratamento preventivo. O melhor é tratá-las na volta do acampamento, porque exigem cuidados prolongados, na maioria dos casos. O mesmo acontece com as verminoses. No caso da esquistossomose, transmitida pelos caramujos, pode-se evitá-la, não tomando banhos em lagoas ou piscinas naturais, principalmente onde se suspeita da existência desses caramujos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário